“A pausa pode ser a nota mais importante da música”


Após 18 anos de lutas e conquistas, a BJACK decide encerrar sua carreira lançando seu quarto e último disco. Não é fácil tomar tal atitude, é preciso ter coragem, e ser audacioso em relação a isso. A intenção nunca foi a de passar tristeza, melancolia, lamentar os erros, enfim, e sim de celebrar os bons momentos vividos nessa trajetória percorrida no underground rock brasileiro porque deu certo. Deu certo enquanto durou, mas tudo tem um fim. E o fim é inevitável, assim como a morte.

São 14 faixas, mesclando Hard Rock, Pop, Indie & Stoner Rock. Um disco de fácil assimilação, mas gravado com vontade, dedicação, como um legado, uma despedida. Sincero, porque não, afinal foram quase três anos de produção. Feito para se ouvir em volume alto. Por favor, faça isso, será uma boa experiência.

A BJACK termina com Boto Wesz, Marco Lopez e Kelvin Venturin. Mas agradece a todos os outros grandes músicos que estiveram presentes, de corpo e de alma, ou apenas de corpo. Produzido por Igor Conrad e Masterizado por Marcos Abreu (Cachorro Grande, Tequila Baby, Reação Em Cadeia).

 

• CONHECENDO UM POUCO MAIS DO ÚLTIMO DISCO

01 – Entre O Céu E O Inferno
(L: Marco Lopez / Boto Wesz | M: Marco Lopez) | ISRC BXIOG1700015
Abertura do disco. Pra dar o clima do que será a audição desse disco. Cena de ficção, história comum, o cara que está sempre na noite, e ela que sempre está à espreita de um pouco mais de emoção. E essa emoção sempre tem seu preço.

02 – Algo Está Errado
(L: Marco Lopez | M: Marco Lopez / Boto Wesz) | ISRC BXIOG1700013
Mensagem direta: aguente ou enfrente, afinal a vida é feita de escolhas.

03 – Palavras
(L/M: Marco Lopez) | ISRC BXIOG1700017
A palavra é uma arma que não precisa de licença para ser usada. Tão forte é sua entonação quanto o que ela pode causar em uma pessoa.

04 – Toca-Fitas
(L: Marco Lopez, Boto Wesz, Duca Hoisler | M: Marco Lopez, Ronaldo Bressan) | ISRC BXIOG1700009
Surgiu de um riff. Do riff, as estrofes foram tomando os seus lugares. As letras foram se organizando, a partir de uma palavra comum: nostalgia. A partir disso, a história foi sendo criada.

05 – Pecado
(L/M: Marco Lopez) | ISRC BXIOG1700011
Precisa comentar algo? Pecado tentar enganar alguém ... pecado não ver que você erra também. Talvez aqui esteja implícito a influência musical da banda Rosa Tattooada.

06 – Nada Importa
(L/M: Marco Lopez) | ISRC BXIOG1700010
Um pedido de socorro. A Depressão é silenciosa, e traiçoeira, vai se instalando sem que você possa notar. Só quem já passou por isso, conseguirá entender o sofrimento de chegar ao ponto de partir.

07 – Diário De Um Perdedor (Diario De Una Sombra)
(L/M: Walter Giardino | Versão: Marco Lopez) | ISRC BXIOG1700014
Uma homenagem à banda argentina Rata Blanca. A cada show, essa canção parecia se tornar cada vez mais autoral. Sentíamos que poderia ser nossa, e que teríamos a capacidade de criar uma versão a altura. Tire suas conclusões.

08 – Meias Verdades Nunca Existirão
(L/M: Marco Lopez) | ISRC BXIOG1700016
É nas tuas mentiras que eu encontro as minhas verdades. Nada mais justo. Relacionamentos são assim, mas sempre existe uma chance de se fazer o certo, basta ceder um pouco.

09 – Porto Alegre
(L/M: Marco Lopez) | ISRC BXIOG1700008
Cidade nova, vida nova. Música da safra “porto-alegrense”, uma das primeiras após a mudança da banda para a capital gaúcha. E contou com a participação do músico Luciano Leães (Acústicos & Valvulados, Luciano Leães & The Big Chiefs, Fernando Noronha & Black Soul), que sentou a mão em um Hammond.

10 – Anos 90
(L/M: Marco Lopez) | ISRC BXIOG1700006
Muitas perguntas sem respostas, muitas dúvidas, muitos caminhos a trilhar. Erros e acertos. Como era bom viver nos Anos 90. Saudades.

11 – Apenas Mais Uma
(L/M: Marco Lopez) | ISRC BXIOG1700012
Segunda música da banda e que nunca tinha sido gravada. Enquanto for bom para os dois, está valendo. Quando a balança começa a ceder apenas para um lado, é melhor ir embora, porque o resto é pó.

12 – Pra Você Que Reclama de Tudo
(L: Boto Wesz | M: Marco Lopez) | ISRC BXIOG1700019
Cansa falar, falar, falar e não ter nada a dizer. Cansa muito mais orbitar um estado de sítio onde quem será atingido está seguro em casa. Mais conteúdo, menos mídia.

13 – Inveja
(L: Marco Lopez, Duca Hoisler | M: Marco Lopez) | ISRC BXIOG1700006
Sobra do disco Ainda Mais Rock, não entrou lá, entrou aqui. Final de disco.

14 – Tantas Coisas (BÔNUS TRACK)
(L: Claiton Nunes | M: Marco Lopez) | ISRC BXIOG1700015
Outra versão, homenageando dessa vez a extinta banda local Urban Chaos. Bons tempos onde o importante era estar tocando músicas autorais, não importando quais eram as condições e quais eram os locais.


• FICHA TÉCNICA

Boto Wesz (voz e vocais)
Marco Lopez (guitarras, baixos, violões, vocais de apoio, pianos, teclados e sintetizadores)
Kelvin Venturin (bateria)

Bateria e Baixos gravados no MusicBox Estúdio em Fevereiro/2014 sob a supervisão de Alexandre Birck
Guitarras, Vozes, Vocais e demais instrumentos gravados na Tec Áudio entre Março a Junho/2017 sob a supervisão de Marcelo Corsetti
Hammond na faixa "Porto Alegre" gravado no Estúdio do Arco em Abril/2017
Vocais de Apoio na faixa "Inveja" gravados no Estúdio TS SoundTrack em Janeiro/2011

Participações Especiais: Marquinhos Fê (percussão) & Luciano Leães (Hammond) na faixa "Porto Alegre" | Rafael Montanha & Alexandre Goulart (vocais de apoio) na faixa "Inveja"

Mixado & Produzido por Igor Conrad no estúdio Tec Áudio
Masterizado por Marcos Abreu
Design Gráfico por Soro Caseiro Produtora
Fotos Capa & Encarte por Jerri Rossato

Agradecimentos: Este disco não seria possível sem a dedicação, grandeza e incentivo de Igor Conrad, Marcelo Corsetti e Alexandre Birck. Obrigado também a parceria de Luciano Leães, Marquinhos Fê, Rafael Montanha, Alexandre Goulart, Walter Giardino, Duca Hoisler, Ronaldo Bressan, Claiton Nunes (Urban Chaos). Obrigado por fim, às nossas famílias e aos nossos amigos. Nos vemos por aí.
Este disco é dedicado à memória de Egon R Alscher, Renato Silveira, Jean Papalia e Jorge Wesz

 

 

• CONHECENDO A BJACK

Segundo o livro Gauleses Irredutíveis: Causos e Atitudes do Rock Gaúcho (Ed. Buqui), a BJACK nasceu fazendo parte da geração dos anos 2000 da cena rock gaúcha. E estar ao lado de grandes nomes já consolidados, e ainda fazendo parte das novas bandas mais fluentes da sua geração, segundo o livro, não é pouca coisa. Tudo isso é fruto de muito trabalho, esforço e tempo dedicado da "gurizada" que saiu de Santiago, interior do RS, para trabalhar com música na capital, Porto Alegre, enfrentando todos os obstáculos possíveis encontrados na "vida noturna".

Sobre as influências, a banda é bem sucinta: escutam de tudo ligado ao rock, seja nacional, internacional ou regional! Isso faz com que a banda consiga sintetizar bem o som seu, que hoje se remete ao underground inglês. Sim, eles cantam em português, afinal, é a sua língua nativa.

Ao longo dos 18 anos de estrada, os rapazes já se apresentaram em diversos programas musicais no estado e também fora dele. Programas estes de grande ênfase no âmbito musical, considerados uma "vitrine" para as novas bandas. Também abriram diversos shows e dividiram o palco com grandes artistas como Frank Jorge, Alexandre Birck, Fresno, Jojô, Ultramen, Vera Loca, entre muitos outros.

Em 2007, a BJACK conseguiu gravar seu primeiro disco, intitulado !O Resto É Pó!, pela NVR Discos - FonoMidia. Diversas revistas e sites, publicaram resenhas sobre o trabalho, chamando assim cada vez mais a atenção de produtores de shows.

Em 2009, a banda gravou seu primeiro dvd, intitulado “20 Anos de Rock Gaúcho”, captado ao vivo no Theatro Treze de Maio em Santa Maria. No trabalho, a banda fez um retrospecto dos últimos 20 anos da cena rock gaúcha, tocando músicas que marcaram época e fizeram uma geração inteira viver o rock n' roll sincero. Uma justa e sucinta homenagem à todos os seus "heróis de infância", sendo esse trabalho reconhecido e muito elogiado por Duca Leindecker (Cidadão Quem / Pouca Vogal), Carlinhos Carneiro (Bidê ou Balde) e Rafael Malenotti (Acústicos & Valvulados).

Em 2010, a banda lançou um Ep virtual, “Ainda O Mesmo”, o qual continha três regravações do primeiro disco, porém com uma roupagem nova. Era a preparação para o trabalho seguinte.

Em 2011, a BJACK lançou o trabalho do qual colocaria a banda em um patamar mais elevado perante a crítica musical. “Ainda Mais Rock”, foi distribuído nacionalmente e internacionalmente, tendo vendas nos canais da Amazon e iTunes, consolidou todos os "anos de estrada" da banda, recebendo ótimas críticas de revistas de grande circulação no mercado e sites nacionais especializados em música.

Em 2014, a BJACK sofreu baixas em sua formação, mas mesmo assim, entrou em estúdio para gravar seu quarto disco e último disco, que foi lançado no dia 13 de Julho de 2017. Enfim, tudo tem um fim.

Todo esse retorno que a banda teve, mostra o potencial da banda, que fez por merecer o reconhecimento na cena underground do rock gaúcho.

 

• O QUE FALAM SOBRE A BJACK E SEUS DISCOS

“... banda com material bacana e com um bom show.” –
Duda Calvin - Tequila Baby

“... as canções são bem compostas, bem executadas, bem gravadas e com uma produção fantástica, tornando a audição de “Ainda Mais Rock” uma experiência muito agradável.” –
Cássio Pagliarini - Site Heavy Metal Brasil

“... arte gráfica muito legal, que já prepara o ouvinte para boas doses de música de qualidade, destaque aqui para a qualidade de gravação, que mescla boa dose de peso com todos os instrumentos bem equalizados e um diferencial, tudo cantado em português!” –
Luis Harley - Site Heavy And Hell

“... linda capa e uma produção quase impecável, mostrando que o disco definitivamente foi feito para estourar nas rádios. As letras e riffs de guitarras são grudentos e a temática, amor e ódio, é muito explorada em letras cantadas em português!” –
Mumu Silva - Site Rock+Press

“... uma interessante sonoridade. Vale a atenta degustação, de seu início até o fim!” –
Rafael Corr êa - Site Collectors Room

“... é gratificante ver que bons lançamentos pululam todos os dias em nosso país. coeso e evoluído, logo, tome o mais puro Hard’n’Roll possível, que fica ali entre o final dos 70 e início dos 80!” –
Marcos Garcia - Site Metal Samsara

“... eu posso dizer com convicção que esse EP, foi um dos melhores e mais diferentes que vi nos últimos anos no rock gaúcho, claro sem desrespeitar as outras bandas, pois de alguns anos pra cá, o rock gaúcho deu uma boa remodelada, pois a banda BJACK mostra bem, e é um exemplo dessa renovação que tem sido constante no mercado fonográfico!” –
Rafael Marinho da Paz - Site Rafampaz

“... ouve-se neste novo trabalho o lado mais Rock´N´Roll da banda como o título sugere. Tenho certeza que a banda será muito mais conhecida, pois capacidade para isso os gaúchos possuem!” –
Fernando R. R. J únior - Site Rock On Stage

“... são trabalhos como este que mostram que vale a pena acreditar no Rock N' Roll. Dedicação e seriedade resultam no bom e velho Rock!” –
Luis Felipe - Site Músico na Estrada

“... os músicos dominam totalmente sua proposta, com riffs bem sacados. Recomendado principalmente aos amantes do Hard Rock!” –
Ben Ami Scopinho - Site Whiplash

“... tem entre suas músicas, composições simples, mas boas e ótimos riffs. É uma das poucas bandas boas do cenário musical brasileiro!” –
Lucas Dal-Ri - Site Rock Army Downs

“... um ritmo que chama a atenção pela qualidade dos instrumentos e das técnicas musicais. Tem uma pegada rock. Merecia mais atenção do que várias outras por aí!” –
Germano Roberto - Site Comissão do Rock

“... as músicas são simples e diretas, todas cantadas em português. Junte em uma panela um pouco de Cachorro Grande, Dead Fish, Bad Religion e uma leve pitada de Matanza. O resultado dessa mistura é o Bjack!” –
Pedro Humangous - Revista Hell Divine

“... uma das poucas bandas de hard rock nacional que fazem valer a pena ainda acreditar nessa cena. Impossível não cantar junto!” –
Renan Marchesini - Revista Comando Rock

“... as músicas confirmam a maturidade musical deste grupo. Banda que tem a particularidade de produzir rock de forma séria e sincera, com aquele jeito característico do rock gaúcho. Sem dúvida uma banda que demonstra muita competência e que se encontra em ascensão no mercado fonográfico!” –
Jackson W ójcik - Programa Rocktime

“... é tido atualmente como referência para a cena local. Sem pretensão alguma o que a Bjack nos apresenta é um rock de qualidade com um ótimo trabalho gráfico. A banda é sem dúvida um dos representantes da nova cara e força do rock nacional. Ouçam e apreciem! ” –
Luis Carlos Fernandes - Site Estrada do Rock

“... as letras são simples, algumas românticas bobinhas e outras até sacanas. A competência do grupo está em fazer sons cativantes tudo em um instrumental bem equilibrado, simples e eficiente. Outro ponto a se destacar é a parte gráfica do trabalho que ficou muito bacana e o profissionalismo da banda na produção do EP.” –
Vitor Franceschini - Site Arte Metal

“... este trabalho esbanja sinceridade. As letras simples, mas eficientes, como todo rock n' roll que se preze, combinam muito bem com o instrumental igualmente bem tocado. Enfim, um rock n' roll sem firulas pra se tocar alto e bom som, que venham mais.” –
Diego Winger - Site Metal Mojo

“... é o resultado de um explícito amadurecimento construído ao longo de onze anos de carreira. Tal avanço musical não se limita ao instrumental, que cada vez mais se dirige para o Hard Rock, mas também na qualidade das novas composições. A banda também evoluiu em termos de melodia, e da construção harmônica de suas canções. Os refrões, por exemplo, estão mais redondos, algo realmente difícil de construir em se tratando de canções com o peso que a banda apresenta.” –
Anderson Nascimento - Site Galeria Musical

“... a essência do conjunto está aqui, e o principal, longe das modas vigentes, fazendo música com identidade e verdade. É música pop como não se ouve faz tempo.” –
Wladimyr Cruz - Site Zonapunk

“... para quem gosta de rock, mas possui um pé fincado nas raízes pop, este disco acaba sendo uma boa opção.” –
Dario Barbosa - Site Vale Punk

“... fazem lembrar o som feito por bandas nacionais durante os anos oitenta.” –
Marcos Filippi - Revista Comando Rock

“... dê ao povo o que eles querem, os músicos mandam o recado.” –
Carlos Lopes - Revista Rock Press

“... tem uma pegada mais diferenciada.” –
Marcelo Teixeira - Revista Dynamite

“... um trabalho autoral de primeira linha ... Desengano é ótima pra ser a balada da banda e ganhar as rádios, e porque não um clipe pra ela? ... a BJACK tem muito espaço pra crescer e com certeza se quiser fazer isso de verdade vai precisar dar as caras nas grandes capitais.” –
Anderson Nascimento - Portal Cena Rock

“... introduções fodásticas são muito comuns com a BJACK.” –
Izabella - Blog I Do Rock

“... eles fazem um rock chocante!” –
Jornal Regional A Notícia

“... o som das guitarras e a animação dos roqueiros já fazem parte da rotina de Santiago ... e a BJACK é que deu o pontapé inicial para a alavancada do rock na cidade.” –
Jones Diniz - Jornal A Razão

“... BJACK cada vez mais longe ... a banda santiaguense começa a alçar vôos maiores ... não só de poetas vive Santiago, há tempos a banda BJACK engrandece o nome da cidade através de sua música e mostrando que aqui temos gente talentosa. A passos largos a BJACK caminha na direção do sucesso.” –
Márcio Brasil - Jornal Expresso Ilustrado

“... o pulo da BJACK ... a banda é um exemplo de quem tem feito muito bem a lição de casa.” –
Francisco Dalcol - Jornal Diário de Santa Maria

“... a banda parece que acertou na medida e ganhou principalmente o público feminino.” –
Jornal ComTexto